30 de jun de 2008

Coldplay é acusado de plágio - (de novo!)


O Coldplay, mais uma vez, foi acusado de plágio. A banda já tinha sido processada, no ano passado, por um músico holandês. Segundo ele, "Clocks" era idêntica a "Caviar and Champagne", música composta por ele em 1982.
Agora foi a vez da banda norte-americana Creaky Boards acusar o Coldplay de ter plagiado uma música deles. A bola da vez é o atual single dos britânicos, "Viva La Vida". E, ironicamente, a música do Creaky Boards se chama "The Songs I Didn't Write" (As músicas que eu não escrevi).
O mais bizarro dessa história é que o vocalista Andrew Hoepfner fez um vídeo para sacanear a banda de Chris Martin e mostrar pras pessoas as duas músicas a fim delas tirarem suas próprias conclusões.



Fonte: MTV

27 de jun de 2008

IPHAN inicia revitalização do Forte Príncipe da Beira



O IPHAN – Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional iniciou os trabalhos técnicos de revitalização do Real Forte Príncipe da Beira, em Costa Marques (RO).
Para o Superintendente Regional do IPHAN em Rondônia e Acre, Beto Bertagna, “ é a primeira vez que nos seus 232 anos, o Forte Príncipe cujo símbolo compõe o Brazão do Estado recebe um estudo técnico de revitalização e preservação histórica desta natureza.. Muito se falou da importância do Forte para a nossa história, mas nada de concreto se fez.
O Forte é um legado da ocupação portuguesa na região amazônica, e o Brasil mantém hoje suas dimensões devido à inteligência militar e estratégica dos portugueses na época. Queremos também agradecer o apoio do General de Brigada Luiz Alberto Martins Bringel, Comandante da 17ª Brigada de Infantaria de Selva que tem se mostrado sensível às necessidades de preservação da monumental fortaleza militar” – concluiu Bertagna.
Uma equipe, composta por arqueólogos, biólogos, engenheiros e arquitetos especialistas em construções do século 18, fez uma varredura na área do Forte, para o detalhamento do projeto consultivo.
A pedido do IPHAN, foram contratados também trabalhadores locais , proporcionando geração de emprego e renda para trinta famílias da comunidade.
Será elaborado um Anteprojeto de Restauração Arquitetônica e adaptação para novo uso, além de um projeto de drenagem e saneamento das edificações e estabilização estrutural.
Para isto, está se fazendo um levantamento cadastral completo, com inclinometria das paredes (que mede o grau de inclinação das muralhas e prédios internos), bem como prospecções das fundações e edificações para avaliação estrutural.
Numa segunda etapa, será executada a parte de museologia bem como um projeto de gestão e manutenção do sítio tombado.
Já foram identificadas várias estruturas ao redor do Forte, como as ruínas do antigo Forte Nª Sª da Conceição, o forno, o paiol e o Labirinto. O estudo também desfaz alguns mitos e lendas, como a que existiria um túnel interligando o interior do Forte ao rio Guaporé.

Revilatizando as culturas do estado de Rondônia.

19 de jun de 2008

Rock na Capital: Banda Raimundos retorna à Porto Velho


Depois de trazer grandes sucessos como Pitty, Dead Fish e Cachorro Grande para o Festival Casarão no mês de maio, o idealizador do evento, Vinicius Lemos, resolveu fazer mais um investimento, trazendo pela segunda vez a Rondônia a banda mais antológica do cenário do rock nos anos 90, os Raimundos.
A banda de hardcore Raimundos (DF), que surgiu no final da década de 80, já marcou a adolescência de muita gente com seus grandes sucessos como Mulher de Fases, A Mais Pedida, Me Lambe entre outros. Sua formação atual conta com o vocalista Digão, Canisso (baixo), Marquim (guitarra) e Caio na bateria.
O evento acontecerá no dia 05 de julho, na casa de shows Kabanas e contará com a participação de mais cinco bandas de rock da capital além das bandas Marlton, do Acre e da banda MeFFs de Manaus (AM). O ingresso custa R$ 15 reais mais um quilo de alimento não perecível.
O vocalista da banda Raimundos Digão, falou em entrevista exclusiva sobre a formação da atual banda Raimundos e comentou sobre a expectativa de estar novamente de volta a Rondônia:


Depois da saída do vocalista Rodolfo em 2001, o que mudou na banda? Como é o trabalho da banda Raimundos com o vocalista Digão?
O Raimundos continua o mesmo na energia e na empolgação no palco, claro que o Rodolfo sempre foi uma figura emblemática, mas o Raimundos sempre foi à cara dos integrantes e com o Canisso de volta a linha de frente da banda, a gente recuperou bastante essa característica!
Ser vocalista do Raimundos pra mim é uma grande honra e um prazer, nossos shows estão cada dia melhores e mais cheios, creio que o caminho que eu optei trilhar está dando certo!

A primeira vez que a banda Raimundos tocou em Rondônia, foi em 1999, ainda com o antigo vocalista Rodolfo, Qual a expectativa para esta segunda vez? O que a galera pode esperar do novo show?
Lembro bem quando fomos aí pela primeira vez, acredito que essa nossa volta será ainda mais empolgante além de que estamos loucos pra ir logo tocar pra vocês!

Quais os planos da banda Raimundos para este segundo semestre?
Eu decidi que o Raimundos por um tempo só fará shows, inclusive até gerou uma certa polêmica mas prefiro confiar no meu instinto, o mercado está muito instável para fazer um disco atualmente.

16 de jun de 2008

Mukeka de rato em turnê pela América do Sul

A banda Mukeka de rato, que foi formada em 1995 e teve esse nome inspirado em uma reportagem que contava o drama de uma cidade de Pernambuco que estavam comendo ratos achados no lixo, é sucesso garantido entre as bandas nacionais de punk rock/hardcore.
Em um rápido bate papo com o baterista Fábio Brek, ele comentou sobre os shows que a banda tem feito pelo Brasil e contou
sobre a turnê pela América do Sul.

1)- Qual é o grande diferencial da banda Mukeka di Rato na cena do hardcore brasileiro?
Po, diferencial eu não diria que exista até pq soaria arrogante demais, mas acho que o mukeka consegue se manter relativamente conhecido e respeitado pela autenticidade da banda.

2)- A banda Mukeka de rato está se preparando para fazer uma turnê em vários paises? Quais são e como surgiu essa oportunidade?
Sim sim, estamos partindo pra fazer nossa primeira tour pela América do Sul, tocaremos em algumas cidades do Brasil, Uruguai, Argentina e Chile. Ah o mukeka já tem algum tempo de contato com bandas e selos desses paises e durante algum tempo foi amadurecendo a idéia dessa tour que finalmente se concretizou.

3)- O que vocês pensam de ser uma banda que influencia outras bandas de hardcore a entrarem no mercado?
Que mercado menina, Supermercado? rs. Olha é bacana ser referência sim, mas nunca tivemos pretensão de ser referencial de nada, somos uma banda formada por amigos pra tocar o som que gostamos e isso nos agrada.

4)- O que vocês acharam de terem tocado no Festival Casarão? Como foi a primeira vez em Rondônia? Esperavam ter um público tão grande? Pensam em voltar?
Cara é sempre uma surpresa chegar em locais que vc não conhece pra tocar e Rondônia não foi diferente, o legal que foi uma surpresa muito boa, a estrutura do Festival é boa, a organização e as bandas idem e o público fantástico, esperamos tocar ai o mais rápido possível novamente!

5)- Quais são os planos da banda para esse segundo semestre?
Esse ano ainda estaremos fazendo shows divulgando o Cd "Carne",temos shows marcados até Setembro e devemos entrar em estudio pra gravar alguns tributos ainda nesse semestre, finalizou Brek.


Site Oficial: www.mukekaderato.com.br

Fonte: alamaryjanne/ Foto: alamaryjanne

13 de jun de 2008

> Weezer lança novo álbum

Vamos falar um pouco da banda californiana Weezer. Banda criada por Rivers Cuomo no início dos anos 90, e que logo foi uma novidade na época, um "novo" estilo que se surgia: EMO (termo jogado de um lado para o outro para definir o estilo das piores bandas no mercado atual). Hoje você pode até ser EMO, mais com um toque de maquiagem e um penteadinho específico. O Weezer no entanto, apresentava fortes distorções em suas guitarras e disfarçavam suas palavras de amor.O sexto disco de estúdio do Weezer sai só no dia 24 de junho pela Geffen, mas o primeiro single do álbum, "Pork and beans", já pode ser ouvido em streaming no site oficial da banda. Intitulado “Weezer”, o novo trabalho é o terceiro disco da banda a levar o nome do grupo de Rivers Cuomo e companhia. O disco já ganhou até um apelido: “The red album” – já que os anteriores são chamados de “Blue album” e “Green album”, em referência às cores das capas. O disco foi co-produzido por Rick Rubin, que já trabalhou com Justin Timberlake, U2 e Red Hot Chili Peppers. Cuomo definiu as novas músicas como “obscuras, profundas e belas” e “definitivamente mais sofisticadas e aventurosas”. “Você vai ouvir canções bem longas... e estruturas não-convencionais”, adiantou o músico. “Weezer” é o sucessor de “Make believe”, lançado em 2005. Na época, o álbum alcançou a segunda posição na parada da Billboard 200.

Aperitivo:
http://www.youtube.com/watch?v=1qy0fmjxijk

Foto: gormsey

Willrob

http://www.myspace.com/bandawillrob

Esqueci de colocar o My Space da banda Willrob, onde vcs vão poder conhecer o trabalho da banda.
Abraços!

12 de jun de 2008

Willrob: o rock divertido

Com quase cinco anos de existência, a WILLROB faz um rock'n roll básico e objetivo. Sem firulas ou intenções de redescobrir a pólvora, a banda se serve de letras divertidas e refrões elaborados, trazendo de volta um clima 60/70 em suas composições. Suas influências vão desde Kinks e Stones até Cascavelettes. A WILLROB tem atuação dentro do circuito de bandas independentes da cidade do Rio de Janeiro, já tendo se apresentado em locais como Ballroom, Circo Voador, Fair Up, além de festivais ao ar livre e centros culturais. Em sua discografia existem dois trabalhos: O EP independente Mystério (ainda como Willbor) e "Pleased to meet you", EP lançado pela Ettore Rock. A banda é formada por: Hélio Ribera nos vocais, Chewie no baixo e Gusta na guitarra. Em uma entrevista com o vocalista Hélio, ele falou sobre a banda, as mudanças e de festivais de rock.
A quanto tempo já existe a banda Willrob?
A Willrob vem de uma outra banda onde o Gusta e o Bumb's já tocavam. Era a “Igor Willbor Bin Bin's Big Heart Club Band”. Essa banda existiu entre 94 e 98 e tocou em lugares como Praia Vermelha na UFRJ e Festa do Baco na Fundição Progresso pra quase 3000 pessoas. Eram 3 vocalistas, dois guitarras um teclado, baixo e muitas meninas desfilando pelo palco com roupa de época. Tb tínhamos uns garçons q ficavam entrando no palco pra servir a gente. Era bem performático.
Antes dessa eu tive uma chamada Sweet Novel e a primeira que foi a Wild Sex Machine (na sua primeira formação).

A banda antes se chamava Willbor né, pq houve a mudança?
Eu comentei com o Mago que queria que a banda se chamasse Will Robinson, que é um herói de infância, personagem de “Perdidos no Espaço”. Aí o Mago falou: "Troca só o R de lugar com o B e deixa WILLROB!" Eu achei q soou melhor e todo mundo concordou. Então ficou assim.

O que a banda Willrob tem feito pra se destacar no cenário independente de um estado como o Rio de Janeiro?
Tenho certeza de que os arranjos da Willrob, fechados e concisos, a música com melodia, construída corretamente, com letra e principalmente refrão já são um ponto diferencial, se você for considerar todas as bandas independentes. O que vejo atualmente são bandas onde, na maioria das vezes, as pessoas não formatam a música. Já vi bandas de amigos meus que, no início, tinham arranjos bem toscos. Com uma delas, depois que as coisas entraram no lugar, até se lançaram por uma grande gravadora. E, hoje em dia, é uma boa banda. É importante se ter ciência de que existe um público a ser atingido e que a música precisa ter uma cara. Conheço apenas uma banda que fez sucesso sem identidade musical, e não acho que isso possa se repetir. Digo, que outra banda possa fazer muito sucesso assim. Bandas sem identidade existem muitas por aqui. E por todo Brasil, com certeza. Com a "quase novidade ainda" da internet, a tendência é que isso só aumente.

Vocês têm feito shows? Qual a musica de trabalho da banda?
Temos tocado basicamente na Festa do Baco. Grandes mudanças na vida pessoal de todos nós acabaram restringindo nosso raio de atuação. Mas já tocamos em praticamente todos os espaços alternativos (decentes e indecentes), apenas pelo Rio de Janeiro. Ballroom, Fair Up, Caxanga, Clandestino, Sebo Baratos da Ribeiro, Circo Voador etc. O Garage, por exemplo, foi inaugurado por uma banda minha em 91, a Sweet Novel.
Tenho dúvida a respeito da música de trabalho. Algumas pessoas gostam de "Doeu", outras de "Me perdi na Cidade". Na Festa do Baco, que leva um público grande, as pessoas têm gostado de "Você Chorou" e de "Take my hand", que nem está no EP que lançamos pela Ettore Rock.

Já participaram de Festivais de Rock fora do Estado? pensam em tocar em outros Festivais?
Tendo disponibilidade e possibilidade, é claro! Acho, sinceramente, que existem outros estados bem mais rock'n roll do que o Rio de Janeiro. E acho que nossa banda tem qualidade pra ser bem recebida simplesmente pelas músicas, independente de estar tocando ou não em rádios. Acho muito legal quando vejo um show de alguém que não conhecia e começo a gostar daquilo ali, na hora, justamente pela qualidade do som. Isso aconteceu comigo na primeira vez em que ouvi os Cascavelettes, num show lá em Porto Alegre. Não conhecia a banda, e foi amor à primeira ouvida! :)

Quais os planos da Willrob pra esse ano de 2008?
Quero ver se conseguimos deixar as pessoas muito felizes na Festa do Baco! O produtor do evento, o Mago, tentou com outras duas bandas quando recomeçou a fazer a Festa. Não funcionaram. Isso pq a banda precisa se anular pra tocar lá. É preciso ser rápido e entender que a banda, no Baco, apenas integra um pequeno detalhe dentro da estrutura do evento. Isso é difícil, acaba se tornando um atentado ao próprio ego!!! É um grande exercício. Além de nós, o Toatoa foi a banda que fechou com o evento e movimenta muito as coisas por lá. Mesmo sendo o Jonny já um pop-poser-star experimentado! Mas, finalizando, acho que eu e o pessoal da Willrob passamos bem por esse teste. Os três são muito habilidosos, maduros e grandes irmãos de muitos anos. O Bumb's e o Gusta são, simplesmente, dois exemplos do que de melhor pode haver no rock nacional. E não estou exagerando. O Gusta é um dos melhores guitarristas e arranjadores que conheci, e o Bumbinho nem preciso comentar. O Chewie é uma das pessoas mais comprometidas que já conheci. Tudo que é combinado com ele é executado da melhor maneira possível. Ele acabou de substituir o baixista da banda Maybe the Welders que veio de NY tocar por aqui. E arrasou! Enfim, eles são fodaços!! :D

Então mando um beijo para o Hélio, pessoa queridissima que conheci pelos fotologs da vida a muito tempo atraz e muito sucesso pra banda Willrob!
Fonte: Maryjanne/ Foto: Hélio

9 de jun de 2008

Moobwa: música com sentimento


Si você conhece já sabe que é bom, si você ainda não conhece, é sua oportunidade de conhecer a banda carioca Moobwa:


De onde vem esse nome exótico, Moobwa?
Na verdade a palavra moobwa surgiu do desejo de usar a palavra "álbum" como nome da banda. Dentre alguns nomes que pensei (que não lembro) surgiu esse, por representar algo que gosto muito que são os álbuns conceituais, como The Wall, por exemplo ou que o som pudesse passar a sensação de um álbum de fotos. Após alguns minutos, achei que o nome era uma merda, comum. Então decidi, pela sonoridade da palavra, invertê-la. "aubum" > "mubua"... como não podia deixar barato, troquei o "u" pelo "oo" e adicionei o "w" pra dar um charme... rsrrs (ou então pra fazer com que ninguém consiguisse pronunciar!).
Depois de um tempo percebemos que o nome tinha algo de bom e "moobwa" passou a ser isso: um sentimento bom.


Com tantas bandas de rock independente querendo se destacar na mídia, qual o diferencial da Moobwa?
Acredito que o grande diferencial do moobwa sejam as letras, o compromisso maior com a arte do que com o entretenimento. É claro que fazemos músicas para que as pessoas curtam, dancem mas, o mais importante seria que elas parassem pra pensar. Nos seus sentimentos, nas suas certezas e nos seus amores.


Como vai a banda? qual o nome da musica de trabalho? Tem cd lançado?
A banda agora está com dois novos integrantes. Wood, nas guitarras e Bruno Peres na batera. Depois de algumas mudanças, acreditamos que agora é o momento, de fato! O moobwa, além de tocar em algumas rádios e participar de vários festivais, lançou 3 singles e um CD, que se chama NOVA, onde a banda entendeu o seu som e sua missão artística. Agora estamos com um novo EP, que se chama "Marie". Quanto à música de trabalho, essa é uma tarefa difícil pra nós, da banda, decidir. Gostamos muito de "Marie" e "Ego" mas tem muita gente gostando de "Ao lado de quem?" também, algumas rádios do interior por exemplo.


Já tocaram em outros estados? quais? outros países? tem pretenção?
Desde o começo, sempre tocamos em tudo quanto é lugar. Dentre os que a gente lembra bem, destaco Fortaleza, Minas e São Paulo. Planejamos uma ida à Portugal agora no meio do ano mas pelo que me parece, deve ficar pro fim do ano ou pro próximo. Temos vontade de tocar até onde a consciência mútua nos permita ir. Temos, de um tempo pra cá, selecionado mais os shows, algo natural pelo tempo de banda.


Quais os planos da Moobwa para este segundo semestre?
Eu, Duca, estou morando em SP. A idéia é partir com mais força daqui pois no Rio de Janeiro já fizemos o possível, eu acho. A banda está vindo pra cá e shows estão sendo marcados. Além de compormos novas músicas e vídeos, para disponibilizar na internet.


Onde a galerinha pode conhecer o som de vcs?
Além do site oficial,
www.moobwa.com.br, tem oslinks abaixo:
>
www.last.fm/music/moobwa (download grátis)
>
www.myspace.com/moobwa
> www.tramavirtual.com.br/moobwa

Fonte: Maryjanne/ Foto: Duca

6 de jun de 2008

Caipirinha: a bebida mais presente nos eventos brasileiros


Quem diz que bebida não é cultura esta redonndamente enganado!!
A caipirinha é 100% nacional. O drink brasileiro mais conhecido nacional e internacionalmente atrai, cada vez mais, admiradores tupiniquins e do exterior. A bebida virou quase que obrigatória em todos os tipos de eventos: desde festas de aniversários até casamentos.
A tradicional caipirinha é feita com cachaça, açúcar e limão. “Mas como é da natureza do brasileiro a criatividade e inovação, hoje se pode encontrar nos eventos desde caipirinhas com saquê ou vodka até com frutas como morango, kiwi, melancia, maracujá e até jabuticaba”.
No Brasil, a cachaça sempre foi amplamente conhecida, diferentemente do que acontecia na Europa e nos Estados Unidos. No mundo inteiro, bebe-se caipirinha. Não há tradução para o nome da única bebida genuinamente brasileira, que conquistou o planeta com total autenticidade. Foi-se o tempo em que a caipirinha era popular. Cada vez mais 'descolada', a bebida conquista fãs pelo mundo inteiro. A caipirinha nunca foi tão falada no exterior. A mais brasileira das bebidas está conquistando consumidores na Europa, Estados Unidos e até Austrália e Nova Zelândia. Nesses países, nossa caipirinha tem o status de bebida descolada e chique. “Aliás, a mistura brasileira de cachaça, açúcar e limão já é um dos dez coquetéis mais famosos do mundo e está na lista da revista inglesa Drinks International, bíblia dos produtores de bebidas”, explica Dani Fontana Tranchesi, dona de uma grande empresa multinacional especializada em eventos.

Pearl Jam pode dividir palco com Jack White


O Pearl Jam está prestes a ter uma apresentação com a participação de Jack White, do White Stripes confirmada.
Mike McCready, guitarrista do Pearl Jam, não esconde o desejo de dividir o palco com Jack. "Adoraria que ele subisse ao palco e tocasse conosco, porque ele tem uma ótima voz e também é um grande guitarrista", disse.


O encontro pode acontecer em breve, no Bonaroo Festival, que deve acontecer a partir do próximo dia 12, nos Estados Unidos.Segundo o site Ig, os dois tocarão no mesmo dia do festival. Na ocasião, Jack irá se apresentar também com o projeto paralelo, o Raconteurs.

Fonte: Terra

5 de jun de 2008

Músicos do Iron, Raimundos, Charlie Brown Jr e Sepultura criam banda


Figuras clássicas do rock nacional e gringo vão se unir em um novo projeto. Paul Di’Anno, primeiro vocalista do Iron Maiden, o baixista Canisso, do Raimundos, Marcão, que tocava guitarra com o Charlie Brown Jr e o batera Jean Dolabella, atualmente do Sepultura, vão unir seus "super-poderes" em uma banda que ainda não tem nome definido.
O trabalho do novo grupo deve ser voltado para o rock, dando continuidade aos históricos de cada músico. No repertório, Beatles, Black Sabbath, The Stooges, Rolling Stones e White Stripes são alguns dos nomes que aparecem. “Escolhemos canções que se defendem sozinhas. Se elas estivessem em uma vitrola tocando alto todo mundo já ia gostar.
É uma homenagem para quem curte o som das pedras rolando", comentou Canisso, ao site G1."Esse projeto parece que foi encomendado, porque o Paul Di’Anno tem essa bagagem, e além de tudo nasceu na Inglaterra, de onde saíram as principais bandas de rock. Foi sopa no mel", completou o roqueiro.
A estréia do grupo está prevista para agosto e setembro com uma turnê pesada, com quatro shows por semana pelo país e mais apresentações pela América do Sul. O nome oficial do projeto será escolhido através de uma votação pela internet.
Fonte: Terra

3 de jun de 2008

Maconha pode 'encolher o cérebro', dizem cientistas

Fumar maconha com freqüência e por um tempo prolongado pode encolher partes do cérebro que governam memória, emoções e agressão, segundo um estudo publicado no Archives of General Psychiatry.
Os cientistas usaram exames de imagens obtidas por ressonância magnética para mapear o cérebro de pessoas que haviam admitido fumar mais de cinco cigarros de maconha por dia por um período de pelo menos dez anos e compararam as imagens com as do cérebro de pessoas que nunca usaram a droga. Os que fumavam maconha regularmente tinham um hipocampo (parte do cérebro envolvida no desenvolvimento de emoção e memória) 12% menor e uma amígdala cerebelar (que tem um papel no controle do medo e da agressão) 7% menor.
Quinze usuários de maconha e 16 pessoas que não fumavam a droga participaram do estudo liderado por Murat Yücel, da Universidade de Melbourne, na Austrália. "Ainda que o uso moderado não leve a efeitos neurotóxicos significativos, os resultados sugerem que o uso diário em excesso pode ser tóxico ao tecido do cérebro humano", diz o estudo.
Os usuários de maconha também tiveram um pior desempenho em testes de memória verbal - sem uma correlação com o tamanho das partes do cérebro avaliadas - e tinham mais propensão a sintomas leves de doenças psiquiátricas como esquizofrenia.

Fonte: Da BBC Brasil

2 de jun de 2008

O mito de ser mito


Em minhas peregrinações em festivais de rock, não foram muitas mais significativas para mim, sempre fico observando o diferente contraste entre bandas e jornalistas.
Quando a banda é totalmente independente, eles precisam, pedem as vezes até imploram por uma foto um release reduzido mais que vc consiga um espaço pra eles na midia pq eles estão começando.
Conforme a banda vai ganhando seu status e começa a tocar em algumas festas, vc já precisa ir atras, pedir um contato um msn pra vc poder conseguir trocar uma idéia, saber o que a banda ta fazendo.. e eles já nem pedem mais espaço, agora depois que a banda ficou famosa....
Uma das deusas da mitologia roqueana é a baianinha Pitty, a mulher é baixinha,invocadinha mais tem um ego enorme. Sempre gostei das músicas dela, alias, até cantei algumas fazendo show com uma banda que já participei, mais nunca consegui uma acessibilidade informal com ela. Toda vez que vejo uma entrevista com a Pitty, sinto como si ela estive em cima de um pedestal, a intocada, o mito. as vezes a culpa não é nem dela, mais da imprensa que da muito destaque apenas para ela esquecendo de que existem tantas outras roqueiras com boa capacidade de compor letras e encaixar boas melodias.
Com o tempo algumas bandas diga la de passagem, esquecem que eles são quem eles são por que a midia coloca eles em evidência, faz matérias, faz destaques, ta sempre procurando divulgar seus trabalhos e isso ajuda muito a plantar uma imagem sólida. o que nao pode é deixar de ser banda, deixar de ser músico e virar artista, celebridade...
Depois de ver a banda Deadfish vendendo cds, camisetas durante o festival Casarão, os gauchos da Cachorro Grande batendo papo no camarim e conhecendo cada um de seus fãs e atendendo a imprensa fica a duvida, em que momento o cantor ou a banda deixa de ser musico e passa a ser celebridade? Lembrando aos fãs de quaisquer que seja quem eu mencionei, isso é uma opinião jornalistica, não fiquem chateados comigo hehe. Abraços!


Texto: Maryjanne