29 de mar de 2012

Aerosmith diz que novo álbum traz "um pouco de 1975 de volta"

Aerosmith diz que novo álbum traz "um pouco de 1975 de volta" - 29/03/2012 - UOL Música - Reuters:

'via Blog this'

Novo álbum do Maroon 5 será lançado em junho

Novo álbum do Maroon 5, "Overexposed" será lançado em 26 de junho - 28/03/2012 - UOL Música - Da Redação:

'via Blog this'

26 de mar de 2012

Jim Morrison não morreu

Dizem que Elvis não morreu, mas resolvi pregar esta frase em nada menos do que em um dos ícones do rock na década de 60 e que até hoje continua entre nós. James Jim Douglas Morrison, mais conhecido como Jim Morrison e vocalista da banda americana The Doors. Bonito e atraente, Jim é compositor de praticamente todas as músicas do Doors. Com uma grande atitude e presença em palco, Jim Morrison influenciou vários estilos que surgiram depois dele, permanecendo um dos mais populares e influentes vocalistas e compositores da história do rock. Morrison ficou marcado com sua postura de estrela do rock arrogante, sexy, escandaloso e misterioso.

Apesar do seu vício sempre descontrolado, Morrison é inesquecível pelo seu timbre de voz bonito e sempre incorporado. Jim morreu em Paris no dia 3 de Julho de 1971, aos 27 anos de idade afogado em seu próprio vômito dentro de uma banheira. Muitos fãs e biógrafos especularam se a causa da morte teria sido por overdose. Morrison foi referido como sendo o astro do rock de nº 4 a morrer misteriosamente, tendo sido os três primeiros Jimi Hendrix, Janis Joplin e Brian Jones (todos mortos com 27 anos). O relatório oficial de sua morte dizia que a causa tinha sido "ataque de coração".

A personalidade forte e os escândalos protagonizados pelo rockstar Jim Morrison, contribuíram cada vez mais para o aumento da fama do The Doors. Os Doors ganharam reputação no rock com performances polêmicas onde Morrison tornava-se um sex symbol desejado. Foram tantas brigas e polêmicas que Jim Morrison se meteu durante seus 27 anos que fica difícil citar todas as suas peripécias como atos obsceno no palco, desacato a policiais, drogas ilícitas entre outras atitudes sempre desaprovadas. Em seus dois últimos anos da sua vida, Morrison reduziu o seu consumo de drogas, começou a beber excessivamente e ganhou peso o que afetou suas performances em palco.

Em 1969, Morrison teve problemas com as autoridades após ter agido com agressividade contra o pessoal de um avião enquanto se dirigia para Phoenix, Arizona para assistir a um concerto do Rolling Stones. Em setembro de 1970, Morrison voltou ao tribunal e o juri considerou-o culpado por profanidade e exposição indecente em um show. Morrison foi condenado a oito meses de prisão mas foi-lhe permitido sair em liberdade, pendente de recurso e após pagar fiança. Sua curta vida marcada de altos e baixos rendeu a Morrison destaque no mundo todo.

Após a morte de Jim Morrison, os membros do Doors continuaram mais algum tempo a atuar, considerando inicialmente em substituir Morrison por Iggy Pop que era um dos cantores considerados para a possível entrada. No entanto, Krieger e Manzarek ficaram com os vocais, lançando mais dois álbuns, Other Voices e Full Circle, mas Doors não emplacava sem Jim. Ambos os álbuns venderam menos que os registros da era Morrison, e por isso os Doors pararam as atuações e as gravações no final de 1972.

Em 2001, Ray Manzarek, John Densmore e Robby Krieger reuniram-se pela primeira vez em mais de 25 anos para tocar canções dos The Doors como parte da série VH1 Storytellers. O espetáculo foi mais tarde lançado no DVD VH1 Storytellers - The Doors (A Celebration). Ray Manzarek afirmou uma vez: "Estamos todos velhos. Nós devíamos tocar essas canções porque o fim está sempre próximo. Morrison era um poeta, e acima de tudo, um poeta quer que as suas palavras sejam ouvidas."  

24 de mar de 2012

Brasil terá número recorde de shows internacionais em abril

Um verdadeiro engarrafamento de rock internacional aguarda os brasileiros (e seus bolsos) neste mês de abril. Um mês que começa com um Lollapalooza (dias 7 e 8, no Jockey Club de São Paulo, com Foo Fighters, Arctic Monkeys e um exército de estrelas indie), passa por Roger Waters (1 e 3 no Morumbi, em SP depois de se apresentar no Rio dia 29) e Bob Dylan (correndo o país de 15 a 24) e toma o Nordeste entre 20 e 22 com dois festivais: o Abril Pro Rock (no Chevrolet Hall, em Recife) e o Metal Open Air (no Parque Independência, em São Luís). Além de tudo isso ainda teremos o grande Paul McCartney já confirmado em Recife e Florianópolis. Haja dinheiro!

Alexandre Faria, o diretor artístico da Time For Fun (que, só em abril, traz Roger Waters, Bob Dylan, 3 Doors Down e Ting Tings, entre outros), falou para o site OGlobo sobre a quantidade de shows internacionais no Brasil: “ O cenário de shows está fortalecido porque o Brasil passa por um momento de estabilidade econômica. Além disso, o câmbio atual do dólar ajuda significativamente na realização dessas turnês. Sem contar que mercados importantes como Europa e EUA passam por crises econômicas. O público brasileiro hoje é exigente e quer as melhores atrações do planeta. 

Foi contando com isso que Felipe Negri resolveu apostar em três dias de Metal Open Air. Produtor com experiência em shows de heavy metal na América Latina, ele conta na empreitada com o apoio do governo do estado do Maranhão, da prefeitura de São Luís (que está comemorando 400 anos em 2012), de produtores e de uma TV local. Entre a escalação de quase 50 nomes internacionais e nacionais, destacam-se as bandas Megadeth, Anthrax, Venom, Exodus, Blind Guardian e um Rock N’ Roll Allstars reunindo figuras do naipe de Gene Simmons (Kiss), Joe Elliott (Def Leppard) e Glenn Hughes (ex-Deep Purple). “Sem falsa modéstia, é um dos melhores line-ups de metal que eu já vi, mais forte que de muito festival lá de fora — diz Negri, para quem o público-alvo é do Norte e do Nordeste, num arco geográfico que vai de Recife a Manaus.

Ele espera ter algo entre 15 mil e 30 mil pessoas por dia, e não se assusta com a perspectiva de ainda estar longe do ideal (sete mil ingressos ao todo) de ingressos vendidos a pouco mais de um mês do festival: “A experiência com o Nordeste é que o público acaba comprando em cima da hora. Além do mais, a gente foi testando aos poucos, levando bandas a São Luís, e vi que tinha espaço, sim, até pela carência de shows de metal que existia. 

Festival que tem em sua noite de metal e punk o seu grande ímã de público, o Abril Pro Rock confirmou para o dia 21, na escalação internacional, Exodus (dos EUA, que toca um dia antes no Metal Open Air), Brujeria (México) e Cripple Bastards (Itália). Fundador e produtor do Abril, Paulo André Moraes não acredita que o Metal Open Air vá afetar seu evento, que comemora 20 anos em 2012. “ Não vejo concorrência, acredito que apenas umas 200 pessoas de Recife vão ao Metal Open Air, mas isso divide a mídia. Recife tem muitos shows no carnaval. Para alguém pagar ingresso, tenho que trazer algo que não se veria normalmente.”, opina ele. Sua maior aposta internacional, porém, será em duas bandas americanas: Antibalas (especialistas em afrobeat, que vêm ao Brasil pela primeira vez e se apresentam em Recife no dia 22 e em São Paulo nos dias 19 e 21) e os veteranos indie Nada Surf, que voltam ao país pelas mãos da agência cultural Inker, da produtora Fabiana Batistela. Além do NS, ela também traz ao país em abril os americanos Thurston Moore (guitarrista do Sonic Youth) e Kurt Vile. 

O mês de abril vem recheado de shows, possibilitando maior oportunidade de viagens para o público devido ao feriado de páscoa. Só resta escolher sua programação favorita, comprar seu ingresso e se preparar para a maratona de muito rock. Com informações do site OGlobo.

Saiba tudo sobre os shows do Paul McCartney no Brasil

O preço dos ingressos para o show de Paul McCartney no Recife vai custar de R$ 80 a R$ 600. Segundo o site UOL, os fãs do ex-beatle já vão poder comprar os bilhetes da apresentação a partir de 0h deste domingo (25), pela internet. Ainda no domingo a partir da 9h começa a venda presencial, nas bilheterias da casa de shows, Chevrollet Hall, localizada em Olinda. Este será o primeiro show de Paul McCartney no país com sua nova “On the Run Tour” e acontecerá no dia 21 de abril no Estádio José do Rego Maciel, também conhecido como Estádio do Arruda.

Em entrevista concedida nesta sexta-feira (23), os organizadores do evento ainda afirmaram que existe a possibilidade de que um novo show seja realizado no dia 22 de abril, o que ainda não foi confirmado. O espaço ficará dividido em uma área Pista Premium, com capacidade para cerca de 8 mil pessoas. O setor Pista vai ficar entre o meio do campo e o anel inferior.

Uma passarela será construída para dar acesso ao anel inferior da arquibancada. Serão vendidos 35 mil ingressos para esse setor. Os outros setores ficarão no anel superior e nas cadeiras - devem ser utilizadas 4 mil das 6 mil existentes. Quem possui camarote no estádio do Arruda vai poder usufruir do conforto, porém será cobrado um preço de ingresso diferenciado, ainda não divulgado. A estrutura do evento começa a ser armada a partir do dia 9 de abril. Serão 30 carretas de equipamentos, incluindo material para o palco, som, luz e salas de produção. O palco terá 24 x 22 metros.

PAUL EM FLORIPA - No dia 25 de abril, Paul McCartney também se apresentará em Florianópolis, no Estádio da Ressacada. Os ingressos variam de R$ 280 a R$ 760. A pré-venda começa na segunda-feira, 26 de março, abrindo para o público geral no dia 28.


PAUL MCCARTNEY EM RECIFE
Quando: 21 de abril
Onde: Estádio José do Rego Maciel (Arruda)
Quanto: R$ 600 (pista premium), R$ 260 (gramado), R$ 340 (cadeiras), R$ 180 (arquibancada superior). Há meia entrada
Site para venda de ingressos: www.zetks.com.br

PAUL MCCARTNEY EM FLORIANÓPOLIS
Quando: 25 de abril
Onde: Estádio da Ressacada
Quanto: R$ 760 (gramado premium), R$ 350 (gramado), R$ 380 (cadeiras cobertas gold), R$ 280 (cadeiras descobertas). Há opção de meia-entrada, apenas para venda do público geral.

20 de mar de 2012

Ji-Paraná terá 6ª edição do Festival Grito Rock

A banda Mediatriz será a primeira banda
a se apresentar no Grito Rock
Nos dias 31 de março e 1º de abril, Ji-Paraná, receberá mais uma edição do Festival Grito Rock, evento que desde o início de Março também vem sendo realizado em outras cinco cidades rondonienses (Candeias, Cacoal, Guajará-Mirin, Porto Velho e Vilhena).

Em sua sexta edição em terras ji-paranenses, o Grito Rock de 2012 terá em sua grade seis bandas, sendo quatro delas da cidade-sede e outras duas de outros municípios. Para abrir o festival, a banda ji-paranense Mediatriz, que recentemente lançou clipe de sua música de trabalho “Palavras Certas” inicia sua apresentação às 19h. Na sequência Spittfire e Eclipse Final representarão o movimento metaleiro de Ji-Paraná.

Os cacoalenses da Cidadãos Anônimos se apresentarão no festival tendo o blues como carro-chefe no seu repertório. Para àqueles que preferem o indie rock, Di Marco e o incansável Raphael Amorim nos vocais será a última banda da casa a se apresentar. Fechando a noite com o MPB da portovelhense Kali Tourinho e os Calhordas como banda base se apresentam como a última atração da noite.

No dia 1º, completando as atividades do Grito Rock, à partir das 16h, no auditório da Unopar Virtual, acontecerá uma roda de discussões entre agentes culturais de todo o estado, onde debaterão a atuação destes agentes na produção cultural local e as ferramentas para que essa ação seja de forma coordenada e consistente.

Meryelle Oliveira, integrante do Coletivo Cultural Interior Alternativo e uma das organizadoras do Grito Rock em Ji-Paraná contou que além das atrações musicais, o evento oferecerá outras possibilidades de entretenimento. “Durante a tarde teremos as exposições de fotografia, artesanato indígena e artes plásticas. Outra atração é que, abrindo oficialmente a parte musical do evento, às 18h, a Orquestra em Ação irá apresentar 40 minutos de rock clássico e no segundo dia teremos debates e oficinas que irão debater temas em torno da atuação cultural”, enumerou a organizadora.

Rodrigo Alves Caldeira, curador do Grito Rock 2012, disse ainda que as atrações foram pensadas de maneira que a população possa ter a alternativa de entretenimento gratuito com a produção cultural local. “Tivemos o cuidado de privilegiar produções daqui de nossa realidade. Todas as bandas possuem conteúdo autoral, os artistas que irão expor também buscam por essa identidade. A idéia é justamente fornecer espaço para os artistas locais e também opções de consumo cultural para toda a população”, explicou Caldeira. Com informações da Assessoria.