29 de abr de 2009

DICA DE BELEZA – MAQUIAGEM DEFINITIVA


Por Samira Lima
Que atire a primeira pedra à mulher que nunca gastou horas se maquiando e, quando sai de casa toda produzida depois de três horas de preparação, não confere de tempos em tempos a situação da make. Quando não se apela pro espelhinho, a opinião de uma amiga já é de grande valia. Pras make-up junkies (como eu), o que importa mesmo é ficar com a maquiagem impecável, custe o que custar.
Uma grande aliada da mulherada é a tecnologia. Existem diversos produtos para maquiagem que são a prova d’água, o que já é uma mão na roda. Agora imagine uma make que não sai nunca? Você dorme, acorda e o seu lápis está lá, intacto? Imaginou? Pois é, isso já existe também, e se chama maquiagem definitiva. A técnica da dermopigmentação - maquiagem permanente ou definitiva - consiste na introdução de pigmentos na pele. Mais comum no contorno dos olhos e dos lábios e na correção da sobrancelha, a técnica permite ainda corrigir cicatrizes e manchas na pele. Apesar de receber o nome de tatuagem definitiva, a dermopigmentação precisa de retoques periódicos para manter a tonalidade desejada. Na sobrancelha, por exemplo, o retoque pode ser feito depois de dois anos da aplicação, porém este tempo varia de acordo com a situação da pele de cada pessoa.

Onde:
Em Ji-Paraná, o salão de beleza Personal Cabeleireiro faz a aplicação da maquiagem definitiva. Leva-se aproximadamente uma hora pra você ter maquiagem forever. Primeiro, a área que receberá a maquiagem é limpa e anestesiada com xilocaína em gel. Depois, a maquiadora Jô aplica a tinta hipoalergênica na cor escolhida (usa-se mais o grafite) com um aparelho parecido com o de tatuagem, mas que chega só até a primeira camada da pele. Segundo ela, que usa esse tipo de técnica há mais de 12 anos, a maquiagem necessita de retoques de, em média, seis em seis anos. O salão Personal fica na rua 6 de maio, nº 1924, Bairro: Casa Preta, e o telefone é o 3423-8735.

Preços: Para fazer a sobrancelha e o contorno dos olhos, você irá desembolsar R$ 250. A boca, que é uma área mais sensível e difícil de contornar, sai por R$ 400.

Fotos: Alamaryjanne

24 de abr de 2009

João Rock terá 11 bandas em dois palcos

A 8ª edição do Festival João Rock, que será realizada em Ribeirão Preto no dia 6 de junho, terá 11 bandas tocando por mais de 10 horas consecutivas em dois palcos.

Grandes nomes do rock nacional irão participar do festival. No palco João Rock, se apresentarão O Rappa, Marcelo D2, Jorge Ben Jor, Pitty, Jota Quest, Malú Magalhães e Natiruts. No Palco Universitário estarão Farofa Carioca, Teatro Mágico, Nação Zumbi e Ponto de Equilíbrio.

Para os fãs de house, techno e psy, o festival construirá uma tenda com cerca de mil metros quadrados com capacidade para 3 mil pessoas. Sucesso na última edição, o espaço se torna uma opção alternativa ao mesmo tempo em que estará integrada aos palcos.

O FESTIVAL - O João Rock é um dos mais importantes festivais de música do interior de São Paulo e pretende reunir 30 mil pessoas em 2009. Em seus oito anos, acumula histórias lendárias e célebres encontros: Caetano Veloso chegou de surpresa e cantou com Os Mutantes; Chorão e Marcelo Nova cantaram Raul Seixas; Paralamas do Sucesso e Dinho, do Capital Inicial, cantaram Legião Urbana.

O festival também tem tradição de revelar novos talentos, dando oportunidade a bandas no começo de suas carreiras, como Pitty, CPM22, Detonautas, Cachorro Grande, Strike, Forfun, entre outros que já se apresentaram em seus palcos antes de tornar estrelas nacionais. Os convites para o João Rock estão à venda no site www.joaorock.com.br. Os valores são de R$ 70 para inteira ou R$ 40 com a doação de 1kg de alimento não-perecível e R$ 35 para estudante.

20 de abr de 2009

Dica de Beleza - Unhas: Cor Tomate

Bom, hj a gente começa mais uma sessão nova no Blog. Já que a idéia é agradar a gregos e troianos, nada melhor do que dicas de beleza para a mulherada.
Para quem gosta de ousar na cor do esmalte, a dica desta semana é o esmalte da Impala cor Tomate que combina com qualquer roupa além de dar um ar bem sexy. Tem gente que acha o vermelho muito cheguei, mais é só usar roupas com cores mais escuras que não irá destacar muito a cor das unhas.

Onde: Para quem mora em Ji-Paraná, no salão Personal Cabeleireiro, a manicure Deborah tem essa e várias outras lindas cores que estão na moda, além de usar todo o material descartável para melhor atendimento do cliente. O salão Personal Cabeleireiro fica na Rua: 6 de maio, nº 1924, Bairro: Casa Preta, o telefone é o 3423-8735.

Quanto custa: Mão ou pé: R$ 8,00/ Os dois: R$ 15,00

16 de abr de 2009

Festival traz Mötorhead, Camelo e revelações do rock

Neste fim de semana Recife vai respirar rock n'roll. O festival Abril Pro Rock chega à sua 17ª edição preservando a receita que vem alucinando platéias ao longo desses anos: a de levar aos palcos tanto artistas consagrados dos cenários nacional e internacional, quanto grupos recentes que vêm chamando a atenção do público alternativo. Na abertura dos portões, na sexta-feira (17) e no sábado (18), as 16 edições anteriores do festival serão relembradas na exibição do documentário Abril pro Rock Fora do Eixo, dirigido por Everson Teixeira, Júlio Neto e Ricardo Almôedo.
Este ano, o nome de peso do festival é o trio britânico Motörhead, principal atração do primeiro dia. Mas quem já escutou o som da banda sabe que, no Motörhead, o peso não está apenas no nome. O grupo, que surgiu no meio da década de 70, toca um hard rock que, por vezes, invade a sonoridade do heavy metal. Neste que será o primeiro show do Motörhead no Nordeste, a banda promete apresentar algumas canções de seu mais recente álbum (Motörizer, o 20º em sua discografia). Mas o setlist será majoritariamente composto por músicas consagradas, para delírio da maioria dos fãs, que verão a banda pela primeira vez.


MAIS MÚSICA - Além dos britânicos, que só devem tocar às 23h, outras quatro bandas se apresentarão na noite de estréia do APR 2009. A primeira a pisar no palco será o quarteto pernambucano AMP, que, apesar de ter apenas dois anos de existência, conta com músicos de bagagem (dois deles são ex-integrantes da Astronautas, banda conhecida na cena local). A AMP dá a vez ao Black Drawing Chalks, de Goiás. Criada em 2004, a banda apresenta um rock n’ roll que é resultado da mistura de várias influências.
Completando o time estão as bandas Matanza, do Rio de janeiro, e Decomposed God, de Pernambuco. Matanza dispensa apresentações. Os cariocas já são conhecidos dos roqueiros brasileiros, e há algum tempo que freqüentam a programação da MTV. Esse, aliás, será um dos shows mais aguardados da noite (depois do Mötorhead, claro). A Decomposed God já tem 17 anos de estrada e é um dos nomes mais importantes do death metal brasileiro.
O festival segue neste sábado (18) com Marcelo Camelo, Heavy Trash, Móveis Coloniais de Acaju, Mundo Livre S/A, Vanguart, Retrofoguetes, Volver, Vivendo do Ócio, Johnny Hooker & Candeias Rock, City e The Keith.


Fonte: JC online

8 de abr de 2009

KISS volta ao Brasil após 10 anos


Colunas de fogo, fogos de artifício saindo da guitarra, sangue, chuvas de papel picado e vôos sobre a platéia foram suficientes para satisfazer os fãs da banda que estiveram no Anhembi, em São Paulo, nesta terça-feira (7). Nesta soma ainda entram as máscaras de maquiagem usadas pelos integrantes, copiadas por dezenas de fãs, e os diversos sucessos dos 35 anos de carreira, celebrados na turnê Alive 35.

Além dos efeitos, os performáticos Paul Stanley e Gene Simmons, únicos da formação original do Kiss, também não economizaram em seus gestos exagerados. Interagindo sempre com o público e as câmeras que geravam imagens para os telões, Simmons esticou por diversas vezes sua língua e deu lambidas em seu baixo para o delírio do público. O baterista Eric Singer e o guitarrista Tommy Thayer completam o quarteto.

O SHOW - Depois da abertura da banda brasileira Dr. Sin, um seqüência de músicas esquentou o público antes da apresentação. Ao tocar Won't Get Fooled Again, um clássico da banda The Who, uma gigante bandeira se abriu cobrindo o palco no momento exato de um grito de "yeah" de Roger Daltrey.

STAIRWAY TO HEAVEN - Antes de tocar Black Diamond, um dos maiores clássicos da banda, Paul Stanley foi ao microfone e tocou a introdução de Stairway To Heaven, do Led Zeppelin. "Toco essa?", brincou o vocalista. Embora o público tenha iniciado um coro com a letra, o guitarrista interrompeu os acordes e iniciou a música do Kiss.

BIS – O Kiss guardou seus maiores trunfos para a parte de encerramento do show. Depois da breve pausa, a banda retornou ao palco com uma bandeira do Brasil e saudou o público tocando Shout It Out Aloud e Lick It Up. Para fechar a série de efeitos visuais, o grupo reservou para a etapa final dois "vôos".

Primeiro foi à vez de Gene Simmons ser içado por cabos de aço e subir para um palco na parte superior do palco, quase no "teto" da estrutura montada para a apresentação. Depois Paul Stanley foi levado sobre a platéia para uma estrutura próximo das torres de som de onde cantou uma música inteira antes de retornar ao palco pelo mesmo cabo e fechar o show com Detroit Rock City.

Fonte: Terra