30 de out de 2011

Forte chuva derruba estrutura do festival SWU

Forte chuva derruba estrutura do festival SWU, em Paulínia - Música - Virgula:

'via Blog this'

27 de out de 2011

Saiba tudo sobre o SWU

Com o anúncio de Zé Ramalho e Emicida fechando a programação musical, o festival SWU divulgou nesta quarta-feira (26) o horário de todos os shows. O SWU 2011 vai acontecer entre os dias 12 e 14 de novembro no Parque Brasil 500 em Paulínia, a 120 quilômetros de São Paulo. São esperadas entre 60 e 70 mil pessoas por dia. Os portões serão abertos diariamente às 8h para o fórum de sustentabilidade, que começa às 12h. Para os shows, os portões serão abertos ao meio-dia. Confira a programação completa:

Sábado - 12/11 (Palcos principais)
Emicida (Palco Consciência)
Michael Franti & Spearhead (Palco Energia)
SOJA (Palco Consciência)
Marcelo D2 (Palco Energia)
Damian ‘Jr. Gong’ Marley (Palco Consciência)
Snoop Dogg (Palco Energia)
Kanye West (Palco Consciência)
Black Eyed Peas (Palco Energia)

New Stage
Copacabana Club
Miranda Kassin & Andre Frateschi
Matt & Kim
OFWGKTA
Ghostland Observatory

Heineken Greenspace
DJ convidado
Database
Ask 2 Quit
Avicii
DJ Marky & S.P.Y Present Galaxy
Who Made Who (Tomas Barfod)
James Murphy
Frankie Knuckles
Tiga

Domingo - 13/11(Palcos principais)
Zé Ramalho (Palco Energia)
Ultraje a Rigor (Palco Consciência)
Tedeschi Trucks Band (Palco Energia)
Chris Cornell (Palco Consciência)
Duran Duran (Palco Energia)
Peter Gabriel & The New Blood Orchestra (Palco Consciência)
Lynyrd Skynyrd (Palco Energia)

New Stage
Apolonio
Sabonetes
Is Tropical
Playing For Change
Modest Mouse
Hole

Heineken Greenspace
DJ Convidado
Raul Boesel
Meme
Gareth Emery
Paulo Boghosian
Booka Shade
John Digweed
Afrojack
Fedde Le Grand

Segunda - 14/11 (Palcos principais)
Raimundos (Palco Energia)
Duff McKagan’s Loaded (Palco Consciência)
BRMC (Palco Energia)
Down (Palco Consciência)
311 (Palco Energia)
Sonic Youth (Palco Consciência)
Primus (Palco Energia)
Megadeth (Palco Consciência)
Stone Temple Pilots (Palco Energia)
Alice In Chains (Palco Consciência)
Faith No More (Palco Energia)

New Stage
Medulla
Ash
Pepper
The Black Angels
Bag Raiders
Miyavi
Crystal Castles
Simple Plan

Heineken Greenspace
DJ convidado
Dubshape
Damian Lazarus
M.A.N.D.Y.
Jooris Vorn + Nic Fanciulli
Gui Boratto
Layo & Bushwacka
Loco Dice
Sven Vath

Estrutura do Festival

O festival ocupará uma área total de 1.700.000 m2  no Parque Brasil 500, em Paulínia, onde o idealizador do evento, Eduardo Fischer, comparou ao Coachella, nos Estados Unidos. O piso no local será quase todo revestido por cimento, com poucas áreas de terra ou grama. Calçados e roupas leves e confortáveis são essenciais para quem vai passar mais de 12 horas no local. É proibido ir ao evento com notebooks, câmeras profissionais de foto e vídeo, cadeiras, alimentos, bebidas, objetos cortantes, correntes e bandeiras de mastro. Na arena há sinal para celular e uma área para carregar pilhas e baterias dos aparelhos a partir de energia solar.

Palcos

Os palcos Energia e Consciência são exatamente um de frente para o outro, por isso a programação é alternada e um show só começa quando o próximo termina. A tenda eletrônica (Heineken GreenSpace) fica a cerca de 350 m dos palcos principais, e o Palco New Stage estará na lateral dos palcos principais.

Ingressos

Segundo a organização, cerca de 60% ingressos foram vendidos até o momento. As entradas estão em seu quarto lote à venda por R$ 290 (pista) ou R$ 739,50 (passaporte para os 3 dias) e podem ser comprados pelo site www.ingressorapido.com.br, pelo telefone 4003-1212 e nos pontos de venda credenciados.

Como chegar lá

Uma frota de 200 ônibus estará disponível diariamente para o público do SWU. A passagem nas linhas circulares em Paulínia custará R$ 1, que terá acesso aos principais pontos do município, centros comerciais e hotéis. As demais linhas têm os seguintes preços:

- Linhas para Paulínia
Saída de São Paulo (Barra Funda, Terminal Tietê) - R$ 23,35
Saída de Campinas (rodoviárias) - R$ 2,90
Saída de Cosmópolis Indaiatuba, Americana e Sumaré - R$ 3,10 e R$ 3,30

- Linhas para Campinas
Do Aeroporto de Cumbica (São Paulo) - R$ 45
Do Aeroporto de Congonhas (São Paulo) - R$ 40
Do Aeroporto de Viracopos para rodoviária de Campinas - R$ 9,90
Trecho Campinas para Paulínia - R$ 2,90

24 de out de 2011

Raimundos confirmado pro SWU


A banda brasiliense foi a mais pedida nas redes sociais para fazer parte do line up do festival
O SWU Music & Arts Festival, que acontece nos dias 12, 13 e 14 de novembro, na cidade paulista de Paulínia, acaba de confirmar a banda Raimundos para o SWU, uma das bandas mais antigas de rock nacional. A banda mais solicitada nas pesquisas das redes sociais para compor o line- up do evento, o Raimundos irá se apresentar no dia 14 de novembro nos palcos principais.

O Raimundos é uma banda de rock, formada em Brasília no começo dos anos 90, cujas influências misturam desde os Ramones (origem de seu nome) até o popular Zenilton, cantor de forró nordestino. Em 94 lançaram seu primeiro disco, mas foi o segundo, “Lavô Tá Novo”, de 95, que consagrou a banda nacionalmente. Ao todo lançaram seis álbuns na década de 90, vendendo quase 3 milhões de cópias, e se tornando uma das mais populares bandas do país. Digão e companhia lançadaram o mais  recente cd “Roda Viva”, este ano e tiveram uma música incluída na trilha sonora do filme “Missão Impossível 2”.

Muito feliz com a indicação nas redes sociais, o vocalista Digão comemorou a confirmação: “Já faz 10 anos que luto pelo nosso espaço que nos foi arrancado de forma covarde e por pessoas da mesma linha. Hoje vivemos um momento sublime. O que aprendi nestes 10 anos foi que nunca devemos desistir daquilo que temos certeza. Às vezes o mundo demora a enxergar e se você não estiver ali na hora certa perderá a oportunidade que tanto almejou. A emoção é muito grande. Aos que torceram contra, só lamento. Obrigados e abraços a todos que de alguma forma deram força”, disse Digão.

SWU

O festival já tem confirmado as presenças nos palcos principais de Peter Gabriel & The New Blood Orchestra, Faith No More, The Black Eyed Peas, Kanye West, Alice in Chains, Duran Duran, Stone Temple Pilots, Megadeth, Lynyrd Skynyrd, Chris Cornell, Snoop Dogg, Damian Marley, Sonic Youth, Michael Franti & Spearhead, 311, Black Rebel Motorcycle Club, Primus, Down, Duff McKagan´s Loaded, Tedeschi Trucks Band, Marcelo D2 e Ultraje a Rigor; na Tenda Heineken Greenspace os DJs Avicii, Sven Väth, Frankie Knuckles, James Murphy, Gareth Emery, Afrojack, Fedde Le Grand, Layo & Bushwacka!, Joris Voorn & Nic Fanciulli, M.A.N.D.Y, John Digweed, Booka Shade, Tiga, WhoMadeWho, Damian Lazarus e Loco Dice, além dos top DJs brasileiros DJ Marky e S.P.Y. com o Projeto Galaxy, Ask 2 Quit, Database, Paulo Boghosian, Meme, Gui Boratto, Afrojack e Dubshape. E no New Stage, as bandas Hole, Simple Plan, Miyavi, Modest Mouse, !!! (Chk Chk Chk), Ash, Bag Raiders, Pepper, OFWGKTA (Odd Future Wolf Gang Kill Them All), Playing for Change, Is Tropical, The Black Angels, Ghostland Observatory, Crystal Castles, Matt & Kim, MIranda Kassin & André Frateschi, Copacabana Club, Apolonio, Medulla e Sabonetes. Com informações da Midiorama.

19 de out de 2011

Domingo tem Madame Saatan em Porto Velho

Por Mary Camata

Neste domingo, 23 de outubro, a capital Porto Velho recebe a banda paraense Madame Saatan, no Mercado Cultural em um projeto chamado Doses Casarão, realizado pelo mentor do Festival Casarão,Vinicius Lemos.

A oito anos juntos, o quarteto que conta com a simpática vocalista Sammliz é destaque na cena do rock nacional. A banda que está a três anos em São Paulo recém lançou seu segundo disco chamado Peixe Homem. O disco marca um novo capítulo na carreira da banda. O trabalho foi produzido por Paulo Anhaia, nome responsável por álbuns de Charlie Brown Jr, Velhas Virgens, CPM22, entre várias outras, e ganhador de dois Latin Grammy. A masterização foi feita nos Estados Unidos pelo experiente engenheiro de áudio Alan Douches (Mastodon, Aerosmith, Misfits). O lançamento é do selo Doutromundo Discos e o cd tem o patrocínio do Conexão Vivo, através da Lei Semear do Governo do Estado do Pará.

Em uma rápida conversa pelas redes sociais, a vocalista do Madame Saatan Sammliz, falou da expectativa de estar de volta ao estado de Rondônia após alguns anos: “Estamos muito felizes em voltar aí para mostrar nosso novo trabalho. Estamos ansiosos para voltar logo a Rondônia, já faz muito tempo desde nosso último show. A galera pode esperar um show bastante intenso”, disse Saamliz.


Além da banda paraense Madame Saatan, as bandas porto-velhenses Jam, Ultimato e Bedroyt também se apresentam no Doses Casarão que acontece neste domingo (23), no Mercado Cultural e a entrada é  franca.

Confira o clipe da música Respira - Madame Saatan

18 de out de 2011

Mais shows internacionais acontecem no Brasil

Aerosmith volta ao Brasil no final do mês.

Por Mary Camata
O Rock in Rio mal acabou e galera do rock não vai ter tempo de ficar triste pois além do Festival SWU que acontecerá na cidade de Paulínia/SP nos dias 12, 13 e 14 de novembro com Snoop Dogg, Black Eyed Peas, Peter Gabriel, Duran Duran, Sonic Youth, Megadeth entre outros ainda teremos o Festival Planeta Terra que acontece em São Paulo no dia 5 de novembro que terá The Strokes e Interpol.

Mais a lista de grandes shows internacionais não para por aqui não. O Aerosmith confirmou apresentação em São Paulo, na Arena Anhembi, no próximo dia 30 de outubro. O quinteto do vocalista Steven Tyler toca no país pela quarta vez e o show mais recente na capital paulista foi em 2010. Os americanos do Pearl Jam também confirmaram quatro shows no Brasil. A banda liderada por Eddie Vedder retorna ao país em novembro com a turnê que celebra os 20 anos da banda de grunge. As apresentações estão marcadas para 4 de novembro em São Paulo, dia 6 de novembro no Rio de Janeiro,dia 9 de novembro em Curitiba e dia 11 de novembro em Porto Alegre.

Em sua primeira visita ao país, o ex-baterista dos Beatles, Ringo Starr vai tocar com sua All Starr Band nos dias 12 e 13 de novembro no Credicard Hall, em São Paulo, dia 15 de novembro no Citibank Hall, no Rio de Janeiro dia 16 de novembro, em Belo Horizonte, 18 de novembro, em Brasília, e dia 20 de novembro, em Recife.

O cantor americano Ben Harper também tem seis shows marcados para o mês de dezembro no Brasil. Ele se apresenta em Porto Alegre dia 03/12, em Florianópolis dia 04/12, Belo Horizonte dia 06/12, Brasília dia 07/12, São Paulo dia 09/12 e no Rio de Janeiro dia 10/12. Com informações do G-1.

14 de out de 2011

Planeta Terra Festival anuncia atrações finais



O Terra, que realiza este ano a 5ª edição do Planeta Terra Festival no dia 5 de novembro, no Playcenter, em São Paulo, anunciou a configuração final e horários de apresentação das bandas nos dois palcos do festival – o Sonora Main Stage e o Claro Indie Stage. Consagrado pelo público e pela crítica, o evento trará este ano 15 atrações, entre elas The Strokes, Beady Eye, Interpol, Broken Social Scene, White Lies, Bombay Bicycle Club, Toro Y Moi, Goldfrapp e Groove Armada.

Escalado para o line up do festival no palco Claro Indie Stage, o trio sueco Peter Björn & John infelizmente tiveram que cancelar sua participação no Planeta Terra Festival por conta de um ferimento pessoal de um dos seus integrantes. A organização do festival irá anunciar brevemente um substituto para o evento.

Com censura de 18 anos, o Planeta Terra Festival acontece pelo 3º ano consecutivo no Playcenter. Já transformado em um evento aguardado pelo público, o festival este ano bateu um recorde: todos os seus ingressos foram vendidos em apenas 14 horas, depois de colocados à venda, antes mesmo de todo o line-up do festival ser divulgado. As portas do Playcenter serão abertas para o público às 13h. Confira a programação dos dois palcos do Planeta Terra 2011:

Palco Sonora Main Stage
The Strokes
Beady Eyes
Interpol
Broken Social Scene
White Lies
Naçao Zumbi
Criolo

Palco Claro Indie Stage
Groove Armada
Goldfrapp
Bombay Bicycle Club
Toro y Moi
Garotas Suecas
The Name
Banda Concurso Hit BB

*Com informações da Assessoria

7 de out de 2011

Rock in Rio já deixa saudades – Parte Final

*Por Mary Camata

Bom, agora que estou de volta em casa, fica mais fácil detalhar o último dia do Rock in Rio. Como já era de se esperar, o último dia sempre é também o dia mais cansativo, pois todo mundo já estava a dias acompanhando o Rock in Rio e já podíamos observar que as pessoas estavam com as energias abaladas no dia 02 de outubro, último dia de Rock in Rio 2011.


A gente sempre vê muitas críticas surgirem sobre o Rock in Rio a todo o momento, mesmo depois do Festival ter acabado e o mais curioso claro, são os comentários de pessoas que não estiveram lá e que também não entendem de Festivais. Quando decidi conhecer o Rock in Rio, não fui apenas porque queria ver shows internacionais não e nem estava atrás de realizar todos os meus sonhos de roqueira. Fui ao Rock in Rio porque todo mundo que gosta de Festival de Rock quer ter a experiência de chegar até lá, de conhecer as tendências, de acompanhar toda a mega estrutura montada para receber os mais de 100 mil visitantes de vários estados e países, trocar experiências e assistir a cada um dos shows muito bem preparados por grandes músicos que se dedicaram de corpo e alma para que aquele momento fosse inesquecível pra quem estava em cima do palco e para aquele que estava ali, em meio a multidão.


A primeira banda da última noite do Rock in Rio 2011 foram os cariocas da banda Detonautas que fizeram uma apresentação forte e bem ensaiada que atiçou as mais de 100 mil pessoas que lotavam a Cidade do Rock. O que mais achei bonito no show do Detonautas é que era muito visível a felicidade do vocalista Tico Santa Cruz e de seus companheiros por estarem se apresentando no último dia de festa do Palco Mundo.

A não menos arrogante baiana Pitty, segundo show do último dia, foi ovacionada por seus fãs durante todo o tempo de seu show, mas achei que tocar a mesma música que o Detonautas escolheu para homenagear o Nirvana, não pegou muito bem. Antes de passarmos para os shows internacionais da noite, por uma mudança no cronograma do festival, os Titãs que já haviam tocado no festival no palco Mundo, subiram ao palco Sunset com a banda portuguesa Xutos e Pontapés. Um showzão que pincelei apenas pelo telão.


O primeiro show internacional da última noite foi da banda Evanescence que teve seu ponto alto quando a vocalista Amy Lee tocou ao piano a música My Immortal, deixando a multidão arrepiada. A banda que roubou todos os holofotes da última noite do Rock in Rio foi a banda System of a Down, de passagem pela primeira vez pelo Brasil. O SOAD fez uma apresentação matadora e fez a multidão pular e dançar até a última música, dando uma aula de rock e atitude por mais de uma hora pra ninguém botar defeito.

Ao fim do grande show do System of a Down, já começava a forte chuva que caia na Cidade do Rock o que acabou deixando mais difícil a espera pelo show do Guns, até porque todos já sabiam que Axl Rose, a estrela da noite, iria atrasar pelo menos 1h para entrar no palco. A chuva aumentava e o público já cansado começava a ir embora e o show do Guns, marcado oficialmente para 1h10 só foi começar depois de 2h40 da manhã com um Axl Rose cansado de guerra, porém, ainda na ativa.

Não era fácil chegar ao local e tínhamos filas até para usar o banheiro. Sair da Cidade do Rock era impossível em menos de 30 minutos e capa de chuva virou o figurino do último dia. As pernas cansadas e as bolhas e calos no pé, nada me faria desistir de viver essa inesquecível experiência de adentrar a Cidade do Rock ouvindo o jingle tão famoso em alto e bom tom “Ooooo, Rock in Rio ooo”. Faria tudo de novo.

* Texto e fotos por Mary Camata

3 de out de 2011

O Rock in Rio – 1ª Parte

*Por Mary Camata

Apesar de todo o meu cansaço um dia após terminar o Rock in Rio, me sinto honrada em ter vivido uma experiência tão inesquecível. Mesmo lendo tantas críticas sobre os shows escolhidos para estarem no Rock in Rio e ver muita gente que nem esteve lá pra conferir nada criticando, a sensação de estar presente na Cidade do Rock e poder acompanhar a imensa estrutura montada por uma mega equipe durante todos esses dias de evento para mais receber mais de 700 mil pessoas, é inesquecível.

Cheguei ao Rio de Janeiro no dia 29 de setembro, porém, meu primeiro dia de Rock in Rio foi no sábado, dia 01 de outubro. Aguentei toda a minha ansiedade durante o longo trajeto que temos que fazer até pegar o ônibus especial do Rock in Rio que no meu caso, partia de Copacabana, em sentido a Cidade do Rock que fica próximo ao Recreio dos Bandeirantes, um trajeto de aproximadamente  45 minutos.

O ônibus do Rock in Rio te deixa nas proximidades da Cidade do Rock e você tem que andar em meio a uma multidão afoita por uns bons metros a pé, ser revistado até poder adentrar ao Rock in Rio. A estrutura é muito grande, a maior que eu já vi em um festival de rock no Brasil. Muito mais do que dois palcos. A Cidade do Rock é composta de muitos lugares diferentes, muita informação e muitos pontos para você conhecer. Os patrocinadores do evento capricharam e agradavam os visitantes com os mais diferentes tipos de brindes que iam de lanterninhas e puffs a repelente de insetos.

O primeiro show que eu vi quando cheguei ao Rock in Rio acontecia no palco Sunset onde tocava Zeca Baleiro com um repertório que era a cara de um final de tarde friozinho. Não consegui ver os outros shows do palco Sunset porque não queria perder o show do Frejat que particularmente, achei uma delícia do começo ao fim. Daqueles que você tem todas as músicas na ponta da língua. Depois os mineiros do Skank tomaram conta do palco Mundo. Eu mesmo sabendo todas as músicas do Skank que contou com participação da Negra Lee, achei que não empolgou muito a galera. Skank continua com o mesmo repertório desde sempre.

Os mexicanos do Maná subiram ao palco Mundo depois do Skank, porém, foi a hora que eu e mais uma multidão de pessoas resolvemos comer algo e enfrentar as filas quilométricas para ir ao banheiro antes que começasse o show do Maroon 5. Maná realmente não empolgou a galera e acabou dispersando muita gente que só voltou mesmo quando começou o show dos americanos do Maroon 5.  Ventava muito na Cidade do Rock quando o carismático Adam Levine subiu ao palco com seu Maroon 5 pela segunda vez no Brasil. O vocalista Adam Levine arrancava gritos das meninas em cada dancinha sensual que fazia no palco e a banda saiu deixando uma ótima vibe no palco para a entrada dos britânicos da banda Coldplay.

O que falar do show da banda Coldplay? O vento frio que fazia na Cidade do Rock a essa altura combinava com a sintonia perfeita de cada melodia do Coldplay. O simpático vocalista Chris Martin pichou a palavra Rio com um coração durante o show, balançou a bandeira brasileira, lembrou de Amy Winehouse, com a Rehab e fez um belíssimo e emocionante show pra fechar o penúltimo dia do Rock in Rio pra gente ir pra casa com a alma lavada.