11 de jan de 2016

Lemmy e Bowie: O adeus a duas lendas

(Por Mary Camata*)

Dois artistas completamente diferentes mas cada um com uma grande importância na história da música, deixaram seus fãs perplexos com suas mortes.

Em menos de um mês, o mundo perdeu duas figuras importantes na cena musical do mundo. Lemmy Kilmister , fundador da banda de rock inglesa Motorhead, morreu no dia 28 de dezembro de 2015. Lemmy era idolatrado por fãs da sua postura e do seu timbre de voz marcante. Uma das bandas mais famosas do heavy metal no mundo, Motorhead chegou ao saldo de 22 álbuns de estúdio, 10 gravações ao vivo, 12 compilações e cinco EPs, vendendo mais de 16 milhões de discos pelo mundo. O baterista Mikkey Dee anunciou oficialmente após a morte de Lemmy que a banda Motorhead chegou ao fim depois da morte de Lemmy. Triste notícia para um final de 2015.

Mal poderíamos imaginar que o ano de 2016 também começaria tão triste. Nesta segunda-feira, 11 de janeiro, mais uma triste notícia. O cameleão do rock David Bowie, deixa esse mundo e, assim como Lemmy, travando uma luta contra o câncer.

Bowie era mais do que um cantor. Três dias antes de sua morte, Bowie apareceu pela última vez deitado em uma cama hospitalar, com uma venda e dois botões no lugar dos olhos, no clipe da música nova Lazarus, do disco Blackstar, lançado na sexta-feira (8), dia em que completou 69 anos. Recebido com celebração, o álbum, na verdade, foi o adeus definitivo do artista.

Confesso que como amante do rock, é muito difícil escrever sobre a importância desses dois mestres e me arrepia a espinha ao acompanhar a despedida de cada um. Homens que atravessaram barreiras da música no mundo todo, levando suas referências e rostos estampados em camisetas, morreram da mesma doença. Os dois não eram só idolatrados por nós como também por diversos artistas consagrados no mundo inteiro devido a importância de cada um para o seu segmento musical e pela grande influência.

Lemmy viveu a vida mais rock and roll que se pode imaginar e Bowie atravessou cinco décadas sendo considerado um dos músicos populares mais inovadores e influentes de todos os tempos. Não perdemos Lemmy e nem Bowie. Suas músicas influenciam bandas e artistas a uma nova geração. Ídolos não morrem e deixam seu legado para sempre.


(*) Mary Camata é jornalista e fotógrafa.

Nenhum comentário: